Torque produzido por quatro torquímetros diferentes utilizados em próteses sobre implantes. Estudo comparativo

Rudys R. de J. Tavarez, Anuar A. Xible, Wellington C. Bonachela, Carlos dos R. P. de Araújo

Abstract


No presente estudo in vitro, avaliou-se a quantidade de torque gerada pelos torquímetros: Nobelpharma de 20 e 32 N/cm (Nobel Biocare / Sweden) (1A e 1B), Torque Driver 3I de 20 e 32 N/cm (Implant Innovations / USA) (2A e 2B), Torque-Lock em 20 30 N/cm (Intra-Lock / USA) (3A e 3B) e Dyna de 20 e 30 N/cm (Dyna Torq / USA) (4A e 4B), em dez parafusos UCLA titânio (3I implants innovations REF UNIH / USA T). Mediu-se a quantidade de torque necessária para o afrouxamento do parafuso após o torque com cada torquímetro, utilizando-se um medidor analógico de torque (TOHNICHI BTG60CN / JAPAN). Os resultados mostraram diferenças estatisticamente significantes nos torquímetros 1A e 2A com os torquímetros 3A e 4A. Houve também diferenças estatisticamente significantes entre os torquímetros 1B e 2 B, assim como entre os torquímetros 3B e 4B. Alem disso, encontraram-se diferenças no torque produzido e o torque programado nos torquímetros 3A e 3B, e 4A e 4B, concluindo-se que os torquímetros eletrônico Nobelpharma e 3I de 20 e 32 N/cm geram a quantidade de torque para a qual são programados enquanto que os torquímetros Torque Lock e Dyna de 20 e 30 N/cm não geram a quantidade de torque para o qual são programados.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2003.v6i1.198