Efeito dos tratamentos superficiais para reparo em cerâmica: avaliação por meio da microscopia eletrônica de varredura

Adriana Cristina Zavanelli, Stefan Fiúza de Carvalho Dekon, Cristina Ramos da Silva, Aldiéris Alves Pesqueira, Patrícia dos Santos Costa, Eliana Mitsue Takeshita

Abstract


 

As falhas em Prótese Parcial Fixa podem ocorrer de muitas maneiras, sendo a fratura da porcelana associada ao grupo de problemas mecânicos. Esta ocorrência pode ser reparada sem a necessidade de remoção da peça protética, embora a substituição da restauração seja considerada a solução ideal. Assim, diferentes tratamentos superficiais são utilizados para melhorar a força de união entre cerâmica – resina e viabilizar o reparo. Este estudo analisou a superfície cerâmica tratada com ácido fosfórico à 37% e ácido fluorídrico à 9,5% por meio da microscopia eletrônica de varredura. Quarenta amostras cerâmicas (VITA Zahnfabrik, Alemanha), foram confeccionadas a partir de uma matriz metálica circular, com dimensões de 10mmx3mm. As amostras foram divididas nos seguintes grupos, I) controle – sem tratamento; II) tratamento com ácido fluorídrico à 9,5% por 1 minuto; III) tratamento com ácido fluorídrico à 9,5% por 2 minutos; IV) tratamento com ácido fosfórico à 37% por 1 minuto; V) tratamento com ácido fosfórico à 37% por 2 minutos. Após os respectivos tratamentos, as amostras foram metalizadas (20Kv, 15mA, 2 minutos), no aparelho Denton Vaccum Desk II, sendo em seguida, analisadas no MEV (JEOL – JSM 5410). As superfícies tratadas com ácido fosfórico à 37% por 1 ou 2 minutos não apresentaram alterações morfológicas significativa, enquanto a superfície cerâmica tratada com ácido fluorídrico à 9,5% por 1 minuto já apresentou alteração morfológica significativa, sendo este achado mais evidente após 2 minutos de aplicação. Clinicamente este trabalho sugere um reparo mais eficiente quando a superfície cerâmica é tratada com ácido fluorídrico.




DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2006.v9i3.211