Estudo epidemiológico do carcinoma epidermóide de boca no estado de Sergipe

Ignez Aurora Anjos Hora, Leão Pinto, Lélia Souza, Roseana Freitas

Abstract


Foi realizado estudo de 1.287 casos de carcinoma epidermóide de boca (CEB), no período de 1979 a 1999, coletados nos laudos de exames histopatológicos, obtidos nos serviços de Anatomia Patológica de Aracaju. Do universo pesquisado, encontrou-se a freqüência de 62,2% em pacientes do sexo masculino e 32,0% em pacientes do sexo feminino, numa relação de 1,9: 1. Os demais casos (5,8%) corresponderam àqueles com informações ignoradas. A faixa etária prevalente foi de 60 a 69 anos, com a idade média de 58,2 anos para o sexo masculino e 60,5 anos para o sexo feminino. Nos homens, a língua foi à localização anatômica de maior freqüência com 31,5% dos casos, seguida do lábio inferior (25,7%) e do assoalho (14,4%). Para as mulheres evidenciou-se que a língua representou 29,1% dos casos, o lábio 19,2% e o palato 16,3%. Quanto à gradação histológica de malignidade a categoria bem diferenciada foi a predominante correspondendo a 66,8%, seguida da moderadamente diferenciada (20,0%) e, pobremente diferenciada (7,7%). O carcinoma “in situ” ocorreu em apenas 0,3% dos casos. Os resultados mostram que, considerando-se o perfil epidemiológico do estudo do carcinoma epidermóide de boca de arquivos dos serviços de Anatomia Patológica de Aracaju, o mesmo ocorre com maior freqüência em indivíduos do sexo masculino, acima da quinta década de vida, com localização anatômica preferencial em língua, seguida pelo lábio inferior e assoalho, tende a ser bem diferenciado, do ponto de vista da graduação histológica de malignidade.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2003.v6i2.324