Avaliação do espaço articular em repouso de pacientes sintomáticos e assintomáticos de desordens temporomandibulares

Jane L. F. Matos, Marcelo F. Matos, Flávia M. M. Ramos, Solange M. Almeida, Frab N. Bóscolo

Abstract


A contribuição da radiologia para o diagnóstico das alterações da articulação temporomandibular (ATM) baseia-se no desenvolvimento de técnicas para se obter uma visão mais detalhada das estruturas anatômicas e interpretação das imagens correspondentes aos espaços e posicionamentos condilares. A posição fisiológica mandibular de repouso e a avaliação dos espaços articulares são importantes no equilíbrio postural crânio-mandibular. O objetivo neste estudo foi avaliar, na posição de repouso, os espaços articulares em pacientes sintomáticos e assintomáticos de desordens temporomandibulares, utilizando a tomografia convencional corrgida na incidência frontal e sagital com cortes na porção central do côndilo. A posição da postura habitual do segmento superior foi um importante dado observado por ser considerado um fator modificador da posição de repouso mandibular. Foram selecionados 67 pacientes dos quais 29 eram assintomáticos e 38 clinicamente examinados como sintomáticos. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente pelo teste t de Student e de Tukey. Pôde-se concluir que não houve diferença entre os lados do mesmo paciente e entre pacientes sintomáticos e assintomáticos, sendo somente estatisticamente significante a diferença entre os sexos, dos quais o masculino apresentou maiores dimensões. Estes resultados sugerem que, biologicamente o sexo masculino é possivelmente mais protegido dos comprometimentos articulares e demonstram que, com a metodologia aplicada, a posição de repouso mandibular é perfeitamente reproduzível e mensurável embora seja considerada uma posição intermediária e aparentemente instável.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2005.v8i4.401