Limiar de dor à pressão em pacientes com cefaléia tensional e disfunção temporomandibular

Marden B Gomes, Franceane C. Guimarães, Simone Maria R. Guimarães, Ana Christina C. Neves

Abstract


O objetivo deste estudo foi avaliar a evolução do limiar de dor muscular, através da algometria de pressão (LDP) e palpação manual (PM), dos músculos masseter e temporal em 20 pacientes portadores de disfunção temporomandibular (DTM). Todos participantes apresentavam queixa de cefaléia por mais de 6 meses, com características de cefaléia tensional e foram avaliados antes e dois meses após receberem como terapêutica, uma placa oclusal. A intensidade da cefaléia foi avaliada pela escala analógica visual (EAV) e a freqüência, pelo relato do número de episódios de dor por semana. Os resultados evidenciaram redução estatisticamente signifi cante (p<0,05) para intensidade e freqüência das dores de cabeça. Houve elevação do limiar de dor a pressão (LDP) dos músculos temporal direito (p = 0,027), temporal esquerdo (p=0.004) e masseter esquerdo (p= 0,025). Não foi encontrada diferença estatisticamente signifi cante para palpação manual dos quatro músculos avaliados. A análise dos dados permitiu concluir que apesar da redução considerável da intensidade e freqüência dos episódios de cefaléia após utilização de placas oclusais, foram encontrados resultados diferentes quando avaliado o limiar de dor dos músculos masseter e temporal com a algometria de pressão e com palpação manual.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2006.v9i4.467