Avaliação do desgaste superficial do esmalte escovado com dentifrícios e submetido à ação de agentes branqueadores

Márcia M. Menezes, Leily M. Firoozmand, Maria Filomena R. Huhtala

Abstract


O objetivo deste trabalho foi o de avaliar quantitativamente a ocorrência de alterações superficiais do esmalte quando submetido ao branqueamento dental noturno por dez dias com peróxido de carbamida 10% e escovação com três diferentes dentifrícios. Foram empregadas as coroas de trinta incisivos bovinos que foram divididas em três grupos, A escovado com Sorriso Branqueador, B -Sorriso e C - Close up com micropartículas, cada um contendo dez dentes. Cada grupo teve as coroas dentais seccionadas longitudinalmente em duas metades e incluídas em resina acrílica, com a face vestibular voltada externamente, de modo a ficarem dispostos lado a lado, possibilitando a subdivisão de cada grupo em dois sub-grupos, sendo que A1, B1 e C1 receberam o tratamento branqueador (aplicação do agente branqueador por 12 horas e três escovações diárias com os respectivos dentifrícios) e A2, B2, e C2 somente as escovações. Entre as escovações, os grupos foram imersos em saliva artificial a 37 ± 1°C. As superfícies de esmalte foram medidas em máquina de ensaio de medição tridimensional antes e depois de realizado o branqueamento e/ou escovações. Na condição com clareador, a análise estatística (teste Kruskal-Wallis, e teste de Dunn, a = 5%, kw = 6,073; gl =2; p = 0,048), indicou que o grupo A difere estatisticamente do grupo B enquanto o grupo C não difere dos demais. Este estudo in vitro, sugere que dentifrícios mais abrasivos podem induzir a uma perda superficial maior do esmalte quando este está sendo submetido ao tratamento branqueador.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2003.v6i1.190