Estudo do anticorpo monoclonal 56G anti-Streptococcus mutans: papel na prevenção e colonização da superfície de corpos de prova confeccionados com resina composta

Fabio José C. Fujarra, Antonio Carlos V. Canettieri, Fujiko Y. Kretchetoff, Daniella Moreira, Carmelinda S. Unterkircher

Abstract


Neste trabalho foi realizada uma análise, in vitro, da capacidade do anticorpo monoclonal (Acmo) 56G anti-Streptococcus mutans de impedir ou interferir na aderência e colonização de S.mutans (cepa GS5) à superfície de corpos de prova confeccionados com Resina Composta Híbrida TPH (Dentsply). Vinte corpos de prova foram preparados, desinfetados com gluconato de clorexidina ou esterilizados por radiação gama com cobalto 60 e incubados em tubos de ensaio contendo meio sacarosado e um inóculo de S. mutans. Metade dos corpos de prova constituiu o grupo tratado e, por isso, recebeu uma alíquota do Acmo; a outra metade destinou-se ao grupo controle. As películas bacterianas aderidas sobre as pastilhas de resina dos grupos tratado e controle foram quantificadas e comparadas através da dosagem de carboidratos e proteínas presentes nas mesmas, além da determinação do número de UFC/ml. Verificou-se que não havia diferença entre a desinfecção com clorexidina e a esterilização por radiação gama, e que o biofilme bacteriano formado na presença do Acmo não diferia daquele formado na sua ausência, tanto nas dosagens de carboidratos e proteínas (p=0,577 e p=0,705, respectivamente) quanto na microbiológica (p=0,488). Conclui-se que o Acmo 56G não foi efetivo na prevenção da colonização da superfície dos corpos de prova confeccionados em resina pelo S. mutans.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2007.v10i2.335