Avaliação da infiltração marginal após clareamento dental e restauração com resina composta, variando o sistema adesivo

Maria Victória Lauris Fayad, Ana Lia Anbinder, Alexandre Perez Marques, Ricardo Amore, Márcia Carneiro Valera, Maria Amélia Máximo de Araújo

Abstract


O objetivo deste estudo foi avaliar a infiltração marginal em restaurações com resina composta, variando o sistema adesivo, após técnica de clareamento dental. Foram utilizados 15 premolares humanos, nos quais foram confeccionadas, nas superfícies vestibulares e linguais, cavidades de classe V. O agente clareador, perborato de sódio acrescido de água, foi aplicado em todas as cavidades, que posteriormente foram seladas com cimento de ionômero de vidro. A mistura clareadora foi trocada duas vezes, em intervalos de quatro dias e após o clareamento, as cavidades foram neutralizadas com pasta à base de hidróxido de cálcio. As restaurações foram confeccionadas com resina composta, variando-se o sistema adesivo: nas cavidades vestibulares realizou-se condicionamento com ácido fosfórico 37% seguido da aplicação de sistema adesivo convencional, e nas cavidades linguais, utilizou-se sistema adesivo autocondicionante. Os dentes foram impermeabilizados (exceto 1mm das margens das restaurações), imersos em Rodamina B, e preparados para observação em estereomicroscópio. As amostras foram classificadas de acordo com escores de infiltração marginal e os dados submetidos ao teste de Mann Whitney, a 5% de significância. Verificou-se não existir diferenças estatisticamente significantes entre as duas condições experimentais avaliadas. Concluiu-se que o tipo de sistema adesivo (convencional ou autocondicionante) não interfere no selamento das restaurações após clareamento dental.




DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2002.v5i1.144