Fluxo de água utilizado em turbinas de alta rotação de cirurgiões dentistas do Vale do Paraíba em procedimentos operatório

Bruno das Neves Cavalcanti, Paulo Isaías Seraidarian, Sigmar de Mello Rode

Abstract


A utilização de alta rotação pode, pelo excesso de calor, causar danos irreversíveis à polpa dentária, o que faz necessário o uso de refrigeração a ar mais água de modo a atenuar ou eliminar esses efeitos. Sendo assim, foi proposta deste estudo uma análise do fluxo de água, comumente utilizado em turbinas de alta rotação, comparado ao volume máximo de água possível, além de avaliar diferenças entre volumes habituais usados por profissionais de diferentes categorias e entre volumes máximos de turbinas de diferentes marcas comerciais. Para essa análise foram feitas duas coletas de água em cada caneta de alta rotação de consultórios particulares da região do Vale do Paraíba, sendo a primeira coleta feita no volume habitual e a segunda com o terminal do equipo aberto ao máximo. As coletas foram feitas em frascos de vidro previamente pesados, com 15 segundos de acionamento das turbinas. Os frascos foram novamente pesados e a diferença entre os pesos serviu para cálculo do fluxo em mililitros por minuto de água. Pôde-se avaliar que cerca de 50% dos profissionais utilizam o máximo de volume em suas turbinas e que os outros não usam água, por não realizarem procedimentos invasivos. A média de fluxo de água utilizado pelos profissionais foi de 25,74 ml/min em 70 amostras, com maior valor encontrado de 62,88 ml/min e menor valor encontrado de 0 ml/min.




DOI: https://doi.org/10.14295/bds.1999.v2i1.36