Estudo comparativo entre duas resinas acrílicas e dois silicones utilizados para o processamento de próteses totais através da análise bidimensional da posição dos dentes artificiais

Marcelo C. Goiato, Daniele C. Z. Amantéa, Eduardo Vedovatto, Humberto Gennari Filho, Wirley G. Assunção, Daniela M. dos Santos

Abstract


Em função da introdução de novas marcas comerciais de materiais odontológicos e se existe diferença na aplicação desses materiais, o propósito desse estudo foi o de avaliar a influência de diferentes materiais de inclusão de próteses totais superiores através da análise da movimentação dos dentes artificiais. Para tanto foram confeccionadas quarenta próteses totais superiores, com semelhanças dimensionais, através de um gabarito padrão. Essas próteses foram divididas em quatro grupos com dez espécimes cada, de acordo com o tipo de resina para inclusão (Vipwave; Ondacryl) e o tipo de silicone (Zetalabor; Vip-sil) utilizado no revestimento. Foram demarcados pontos sobre os dentes, que serviram de referência para as mensurações dos segmentos (entre os dentes), através do software AutoCad 2000. As mensurações foram realizadas em três momentos: após o enceramento; após a demuflagem e após a separação do modelo. Os resultados foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey com probabilidade de 5%. Os resultados permitiram concluir que: Todos os grupos estudados sofreram alterações com um comportamento semelhante, quando se avaliou a contração de polimerização após a demuflagem, não encontrando diferenças entre os grupos (p<0,05). A separação do modelo da prótese apontou para o grupo T1 (resina Vipwave e silicone Zetalabor) alterações significantemente (p<0,05) inferiores. O conjunto das alterações, após a demuflagem e após a separação, refletiu em um deslocamento significantemente menor para o grupo T2 (resina Vipwave e silicone Vip-sil) em relação ao T3 (resina Ondacryl e silicone Zetalabor), embora não tenham diferido significantemente dos grupos T1 e T4 (resina Ondacryl e silicone Vip-sil). Todos os materiais testados apresentam-se aceitáveis para a confecção de próteses totais, no entanto, clinicamente, as próteses ainda requerem um bom ajuste oclusal.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2005.v8i2.390