Avaliação da contaminação interna em canetas de alta rotação na prática clínica

Fernando Tura, Camila Fillipi dos Santos Alves, Vanessa Ramos Kirsten, Clarissa Fontoura do Amaral, Patrícia Pasquali Dotto, Roberto Christ Vianna Santos

Abstract


Durante a execução de procedimentos odontológicos, muitos microrganismos da cavidade oral são aspirados e ficam depositados dentro das tubulações das canetas de alta rotação. O objetivo do presente trabalho foi avaliar, primeiramente, através de um questionário, a rotina de cuidados prévios e reprocessamento de canetas de alta rotação, por 35 acadêmicos em Odontologia de uma instituição de ensino. Após, avaliou-se microbiologicamente a contaminação interna das 35 canetas, antes e após o uso em procedimentos clínicos de rotina. Os resultados mostraram que 40% dos acadêmicos nunca esterilizaram suas canetas de alta rotação e a desinfecção com álcool 70%, em substituição a esterilização entre um atendimento e outro, é comumente realizada. Quando da análise microbiológica, foram identificados dezesseis diferentes tipos de bacilos gram-negativos (BGNs), sendo que 31,4% eram da espécie Pseudomonas ssp. nas amostras coletadas antes da utilização das canetas e 25,8% após o uso. 8,6% das bactérias identificadas antes e após o procedimento eram Chromobacterium Violaceum (C. Violaceum). Identificou-se, entre outras, Acinetobacter, Stenotrophomonas maltophilia (S. maltophilia) e Moraxella, antes e após a realização do procedimento. O Teste Exato de Fisher (P= 0,126) mostrou não haver diferença significativa no nível de contaminação, por bacilos gram-negativos, nas amostras coletadas antes e após a utilização da alta rotação.

UNITERMOS:

Microrganismos; biossegurança; equipamentos odontológicos.

Keywords


microrganismos; biossegurança; equipamentos odontológicos



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2011.v14i3/4.749