Infiltração marginal em restaurações de amálgama de prata associado a agentes seladores resinosos

Betania B. M. Simões, Simonides Consani, Lourenço C. Sobrinho, Mario A. C. Sinhoreti

Abstract


A infiltração marginal em restaurações de amálgama de prata associadas a agentes seladores resinosos foi avaliada in vitro por meio da técnica do corante. Foram utilizados 60 dentes bovinos, recém-extraídos e armazenados em água destilada à temperatura de 4ºC. Após confecção de cavidades de classe V nas faces vestibulares, os dentes foram separados aleatoriamente nos grupos: 1- controle, sem material protetor; 2- aplicação de 2 camadas de verniz cavitário Copalite; 3- uso de Scotchbond Multi Uso Plus; e 4- Scotchbond Multi-Uso Plus com cura dual. As cavidades foram restauradas com liga de prata Permite C, preparada de acordo com as instruções do fabricante. As restaurações receberam acabamento, polimento e foram termocicladas 500 vezes em água à temperatura de 5ºC, 37ºC e 60ºC, em banhos de 30 segundos. Após ciclagem térmica, os dentes receberam 2 camadas de esmalte para unhas e, entre elas, uma camada de cera rosa nº 7 para promover o selamento, com exceção da restauração e 1mm ao redor desta. Cada grupo foi separado em recipientes contendo solução corante de azul de metileno tamponada a 2%, onde ficaram por 4 horas. Decorrido o tempo de imersão, os corpos-de-prova foram lavados em água corrente, seccionados e analisados em estereomicroscópio para avaliação do grau de penetração do corante. Os resultados mostraram que não houve diferença estatística significante quanto ao grau de penetração do corante nos grupos 1, 2 e 4. O grupo 3 apresentou menor índice de infiltração marginal em relação aos demais grupos. Os autores concluíram que nenhum dos sistemas empregados como forrador foi capaz de eliminar totalmente a infiltração marginal. Os menores índices de infiltração foram obtidos com o amálgama associado ao sistema adesivo fotopolimerizado.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2002.v5i2.380