Influência da sinvastatina na reparação óssea de mandíbulas de ratas

Karine Tenório Landim, Juliana Campos Junqueira, Rosilene Fernandes da Rocha

Abstract


O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da sinvastatina na reparação óssea guiada em mandíbulas de ratas através da densitometria óptica e análise histológica. Foram tilizadas 35 ratas, nas quais foi confeccionado um defeito ósseo bicortical no ângulo da mandíbula, que foi recoberto por barreira de politetrafluoretileno nas faces vestibular e lingual. Após a cirurgia, os animais foram divididos em 4 grupos tratados com 20mg/kg/dia de sinvastatina, via oral, durante 15 ou 30 dias e 3 grupos controle. Os animais foram sacrificados 15, 30 ou 60 dias após a cirurgia, sendo a mandíbula removida para realização de densitometria óptica e análise histológica. Todos os espécimes foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e teste de Tukey. Os resultados demonstraram que não houve diferença entre os grupos tratado e controle e que a média de neoformação óssea foi maior nos grupos sacrificados em 60 dias, seguidas pelas médias dos grupos de 30 e 15 dias. Conclui-se que a sinvastatina não teve efeito sobre o processo de reparo do tecido ósseo e que a quantidade de neoformação óssea aumentou conforme o tempo de observação.




DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2002.v5i1.149