Própolis, sálvia, calêndula e mamona – atividade antifúngica de extratos naturais sobre cepas de Candida Albicans

Flávio Pires Molina, Marta Majewski, Fernando Augusto Perrela, Luciane Dias de Oliveira, Juliana Campos Junqueira, Antonio Olavo Cardoso Jorge

Abstract


Plantas medicinais têm sido usadas como tratamento alternativo e coadjuvante de várias doenças humanas. O objetivo foi avaliar in vitro a atividade antifúngica de extratos naturais (própolis, mamona, sálvia e calêndula) sobre 20 cepas de Candida albicans isoladas da cavidade bucal. Para determinação da concentração fungicida mínima (CFM), foram realizadas diluições seriadas dos extratos e suspensões padronizadas de cada cepa de C. albicans (106 céls/mL). Em placas de 24 poços, alíquotas de 1 mL de cada diluição dos extratos foram distribuídas e contaminadas com 0,1 mL de uma suspensão de Candida. As placas foram incubadas (37ºC/24 h) e, a seguir, amostras foram semeadas em duplicata em ágar Sabouraud (37ºC/48 h). Os resultados demonstraram que o extrato glicólico de própolis apresentou capacidade fungicida para todas as cepas de C. albicans, com CFM de 3,12% para 90% das cepas. O extrato glicólico de sálvia apresentou capacidade fungicida para 80% das cepas, com CFM variando de 5 a 50%. O extrato glicólico de calêndula demonstrou atividade fungicida apenas para 10% das cepas. O extrato da mamona não apresentou atividade fungicida para nenhuma cepa. Concluiu-se que o extrato de própolis foi o mais efetivo, apresentando atividade antifúngica para todas as cepas de C. albicans avaliadas.

 

 




DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2008.v11i2.472