Avaliação do calor gerado durante o preparo do tecido ósseo utilizando-se brocas de diferentes sistemas de implantes

Renata Faria, Fernanda P. Camargo, Silvia Helena Barbosa, Marco Antonio Bottino, Fernando E. Takahashi

Abstract


Avaliou-se neste estudo, a temperatura gerada durante o preparo do tecido ósseo comparando-se brocas de três sistemas de implantes: Conexão, Nobel e 3i. As perfurações foram feitas em osso cortical de fêmur bovino, com brocas de 2,0 e 3,0mm de diâmetro, até a profundidade de 13mm, a uma velocidade de 1500 rpm com pressão intermitente de 2kg e sob constante irrigação de soro fisiológico 0,9% a temperatura ambiente (24 ±1o C). As amostras foram mantidas em água a 36±1o C durante as perfurações. As temperaturas foram medidas com termopares inseridos no osso a 1mm da perfuração, em profundidades de 5 e 13mm e registradas com o auxílio de um coletor de dados conectado a um computador. Os dados de temperatura foram analisados pelo teste RM ANOVA (3 fatores). A profundidade foi o fator repetido. As análises foram seguidas pelo teste de Tukey (5%). Os resultados indicaram que a melhor condição experimental foi obtida para a broca Conexão de diâmetro 2mm na profundidade de 5mm (36,10±0,52oC) e a condição menos favorável foi para a broca Nobel de diâmetro 2mm na profundidade de 13mm (38,84±1,15oC). Concluiu-se que os maiores valores de temperatura foram obtidos para a profundidade de 13mm, independentemente do tipo de broca. O aumento do diâmetro induziu uma diminuição da temperatura para as brocas 3i e Nobel e um aumento para as brocas Conexão. Nenhuma temperatura registrada excedeu o limite biológico.



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2005.v8i4.400