Impacto do trabalho auxiliado na qualidade de vida do cirurgião-dentista

Daniel de Oliveira Leite, Rodrigo Cembranelli de Souza, Suely Carvalho Mutti Naressi, Denise Nicodemo, Kecimiylla Sayuri Koga, Eliel Soares Orenha

Abstract


De um modo geral, a utilização de pessoal auxiliar no consultório odontológico tornou-se fundamental para a melhoria na produtividade, influenciando de maneira direta na qualidade do trabalho e na diminuição do estresse e fadiga profissional. A proposta deste trabalho foi avaliar a qualidade de vida de cirurgiões–dentistas (CDs) que trabalham com e sem auxiliares em saúde bucal (ASBs) em consultórios dentários particulares, mediante aplicação do instrumento de medida validado para a população brasileira, 36-item Short-Form Health Survey (SF-36). O questionário é composto por 11 questões e 36 itens, tendo como propósito avaliar oito domínios divididos em dois grandes componentes: o físico - que envolve a capacidade funcional, os aspectos físicos, a dor e o estado geral da saúde; e o mental - que abrange a saúde mental, os aspectos emocionais, sociais e a vitalidade. O estudo foi do tipo qualitativo-descritivo e a amostra foi constituída de 60 CDs com no mínimo 10 anos de exercício profissional, de ambos os gêneros, sendo que 30 trabalhavam auxiliados, na categoria de CD auxiliado e 30 que trabalhavam sem auxiliar, constituindo o grupo de CD não-auxiliado. Os resultados obtidos com os testes de significância estatística TUCKEY e ANOVA mostram variação estatística com os domínios: capacidade funcional, dor, estado geral de saúde e aspectos sociais. No grupo de CDs estudado, a condição de trabalho auxiliado impacta positivamente a qualidade de vida considerando os domínios capacidade funcional, dor e estado geral de saúde.


Keywords


Odontologia; Auxiliares de odontologia; Qualidade de vida; Impacto psicossocial



DOI: https://doi.org/10.14295/bds.2011.v14i1/2.706